20090630

the great escape

20090629

bobby peru & jesus by mary and the boy




pinnochio - jorge molder

"Jorge Molder trabalha o auto-retrato há quase 20 anos. Nas suas fotografias, sempre a preto-e-branco, o que vemos não é exactamente a imagem do artista mas sim a imagem de uma personagem criada por ele. Uma personagem que, ela própria, não é concreta. Não é sempre a mesma – e assim se cria o enigma da auto-representação.

Na exposição “Pinocchio”, Jorge Molder avança para um outro nível, ao encobrir o seu rosto com uma máscara feita a partir do seu rosto. A coisa complica-se e torna-se mais abstracta. O interesse aumenta..."

Miguel Matos in Time Out Lisboa

Exposição patente no Chiado 8 (Largo do Chiado, 8 - frente à Brasileira) até 10 de Julho. De segunda a sexta das 12.00 às 20.00. A entrada é gratuita.

a ser verdade...

O dia 8 de Agosto, no Algarve, será um dia memorável. Pelo menos para mim. Após anos e anos a aguardar pelo regresso aos discos e estrada dos detentores daquele que é o mais fascinante disco de sempre na história da música na opinião deste que agora escreve, ainda não consegui cumprir o sonho de ver os My Bloody Valentine, de Loveless, ao vivo. A serem verdade as notícias que vão surgindo, espero que, desta vez, nada aconteça que me não permita viver (finalmente) o sonho.
p.s.: e como acontece em qualquer sonho digno desse nome, parece que este vai também ter direito a uma grande dose de estranheza. Como será ver um concerto de My Bloody Valentine rodeado de fãs dos Offspring, Tara Perdida e Fonzie?!

shotgun stories - jeff nichols


Um filme que trata tão bem as suas personagens quanto o espaço e tempo que as rodeia. Um dos mais belos filmes do ano.





annabelle lee

Marion Mack em The General de Clyde Bruckman & Buster Keaton (1926)

sébastien schuller - evenfall

Em 2006, Sébastien Schuller lançou Hapiness, um disco perfeito que, estranhamente, passou despercebido a demasiadas pessoas. Três anos depois chega Evenfall, que só muito injustamente voltará a deixar o nome do seu criador no anonimato. Para ouvir em tardes primaveris com o sol filtrado por cortinados esvoaçantes. 


Sébastien Schuller "Last Time" (from 2009's Evenfall)


Sébastien Schuller "Where We Had Never Gone" (from 2006's Happiness)

20090628

pranzo di ferragosto - gianni di gregorio

Cada um de nós terá, certamente, uma lista de filmes vistos e adorados aquando na infância ou adolescência mas que, vistos anos mais tarde, não despertam em nós o menor sinal de entusiasmo. O mesmo acontece em sentido inverso. Quem não viu já um filme que só passados vários anos nos consegue conquistar?
Aborreci-me com este Almoço de 15 de Agosto e dificilmente me conquistará antes do aproximar da minha terceira idade. Num filme recheado de gente idosa, quase sempre arredadas dos ecrãs, que dizer de uma personagem principal que, apaticamente, apenas reage ao que se lhe vai deparando, sem jamais agir e não mudando nada do primeiro ao último minuto do filme? 
 

facebook manners

the invention of lying

20090627

como apaziguar o vazio dos nossos dias


"Em Los Angeles, a meio da tarde, a CNN filmava um casal no Passeio das Estrelas, em Hollywood Boulevard. Duas velas, os dois sentados. Na estrela à sua frente lia-se Michael Jackson. O nome era o correcto, mas não era o autor de Thriller que ali se imortalizara, antes um locutor radiofónico com quem partilhava o baptismo. A do músico que conhecemos nos Jackson 5, essa, estava inacessível defronte de um cinema, tapada pela carpete vermelha que, horas mais tarde, seria pisada pelas estrelas que assistiram à estreia de Brüno, o novo filme de Sacha Baron Choen. Um acaso. Sintomático."
Mário Lopes, Público (27.06.2009)

20090623

cléo

Corinne Marchand c'est Cléo dans Cléo de 5 à 7 un film de Agnès Varda

woodpigeon

Durante meses escondidos nos confins do meu computador e resgatados numa noite com banda-sonora a cargo do acaso, eis os Woodpigeon - versão sem santidades, anjos e afins de Sufjan Stevens, com Elliott Smith, por vezes, a pairar por perto.
Com dois discos editados, não consigo decidir qual deles o melhor. Um, relançado em Setembro do ano passado, mas originalmente lançado em 2006, dá pelo nome de Songbook. O outro, já deste ano, foi baptizado com o nome mais pomposo de Treasury Library Canada. O melhor mesmo é juntar ambos e ouvi-los como se fossem um só.



Woodpigeon - Piano Pieces For Adult Beginners
Woodpigeon - Home As A Romanticized Concept Where Everyone Loves You Always And Forever
Woodpigeon - Lay All Your Love On Me (ABBA Cover)

20090621

summer dreams


It's so so hot. We have so much time. Let's make this summer special. Are you ready? Let's begin. Me first?!


"I used to live live in a psychic city,
I never knew what would happen in a day.
I might be looking out the window
and a friend might say,
"Come on over over, come on over over, 
Come on over, we're having a party for you.
Come on over over, come on over over,
Come on over, we're having a party for you."

I used to live in a voodoo city,
Where every little thing had its own secret life.
I might be washing up the dishes
And the kitchen might say,
"Hang around baby baby, hang around baby baby,
Hang around baby, we'll be baking a cake for you.
Hang around baby baby, hang around baby baby,
Hang around baby, we'll be baking a cake for you."

I used to live in a heartbeat city,
I swear I'd fall in love every minute on the street.
You might be walking around the corner
and our eyes might meet.
Where you been darling darling? Where you been darling darling?
Where you been darling, we've been holding this moment for you.
Where you been darling darling? Where you been darling darling?
Where you been darling, we've been holding this moment for you.

I told you your dreams would come true
I told you your dreams would come true
I told you your dreams would come true
I told you your dreams would come true"

YACHT "Psychic City"
 

20090620

un conte de noël – arnaud desplechin

Ouvir falar de Natal fora do mês de Dezembro é como ouvir uma anedota num funeral. Não soa bem. Daí que um filme como este Um Conto de Natal, estreado entre nós em meados de Maio, me tenha feito ir ao cinema de forma receosa. Mas afinal não existiam grandes motivos para preocupação. Pelo menos no que à presença natalícia no filme diz respeito.
As palavras de Miguel Esteves Cardoso por mim aqui usadas a propósito do mais recente filme de Olivier Assayas, encaixam também perfeitamente neste filme. Mas se, no conteúdo, em ambos a família, no seu conjunto, é personagem principal; a forma de ambos os filmes é bem distinta. Assayas mais linear, Desplechin mais irrequieto. E se, inicialmente, os avanços, recuos e mudanças bruscas de direcção, chegam a entusiasmar, mais para a frente só atrapalham. Como diria o outro, "não havia necessidade". O que poderia ser um bom filme, com personagens e história para isso, peca por se esforçar demasiado em sê-lo. E esse esforço, no final, acaba por ser o que mais fica na memória. Uma pena...

newspaper blackout poems


(click on the image to read it)

Newspaper Blackout Poems

gelsomina

De Chaplin a Dostoievski.
Giulietta Masina em La Strada de Federico Fellini (1954)

20090619

"it's a way of life"

Cada vez se compram menos discos. Mas cada vez parecem existir mais bandas. Os motivos para tal serão certamente os mais variados. 



GROUPIES by Ron Dorfman & Peter Nervard (1970)

20090618

group doueh na gulbenkian

Existirá melhor sensação que a de um desejo concretizado? Em Fevereiro falava aqui encantado no desejo de poder ver algumas das bandas marroquinas que fazem parte do catálogo da Sublime Frenquencies (para mim, alguma da música mais intensa e interessante dos últimos tempos vem sendo distribuída por essa editora). E, ainda que atrasado, por distração, descubro hoje que o Group Doueh toca este fim-de-semana no Anfiteatro da Gulbenkian. Se não vais a Morrocos, que Marrocos venha até ti. Só espero que ainda se arranjem bilhetes.

introducing: the drums

Afinal Ian Curtis não morreu. Passou todos estes anos numa praia paradisíaca a ouvir exaustivamente a discografia completa dos Beach Boys. Pintou o cabelo de loiro, fez surf e parece finalmente uma pessoa feliz. A sua nova banda dá pelo nome The Drums e estreou-se em palco há um mês.

INTRODUCING #007
The Drums - Let's Go Surf (Live Debut)

20090616

samuraj cities - mixed up record collections

Não é de agora e só será novidade para poucos, mas a Suécia deverá ser dos maiores exportadores de pérolas pop. E pop do melhor. Que aquela malta loira com uma média de altura superior a 2 metros não brinca com esse assunto tão sério que é a construção de pequenos pedaços musicais perfeitos que deixa dois meios mundos a cantarolar e dançar sem parar. Put that on repeat, Sam. Eis a versão Casablanca com banda-sonora nórdica.
A uma já longa e infindável trupe de magos sonoros, demasiado vasta para sequer tentar escolher exemplos, provenientes daquelas terras, juntam-se agora os Samuraj Cities, com este segundo disco recém editado e bem recheado daquelas tais músicas que, não inventado nada de novo (mas quem disse que é preciso estar sempre a inventar?!) conseguem encontrar e misturar nas doses certas os ingredientes para um delicioso disco que dá vontade de ouvir outra e outra vez e só mais uma vez antes da próxima.
Alerta a quem ainda se não juntou á tripulação: a referência Mixed Up do título não deverá ser aqui confundidade com um qualquer disco de dança, mas certamente fará muita gente dançar ali para os lados da Rua Poiais de São Bento, em Lisboa, e outras semelhantes por esse país e mundo fora. 

20090615

faltam dez dias para... tiguana bibles

A banda que junta membros de Bunnyranch e dos defuntos Tédio Boys com a sensual voz de Tracy Vandal toca em Lisboa, na Zdb, dia 25. Se viessem com o carimbo "banda estrangeira" o aquário daquela galeria seria certamente pequeno demais. A noite promete...

Tiguana Space 

20090614

following

"This is a montage of clips illustrating one of my favorite types of shots: one where the camera physically follows a character through his or her environment. I love this shot because it's neither first-person nor third; it makes you aware of a character's presence within the movie's physical world while also forcing identification with the character. I also love the sensation of momentum that following shots invariably summon. Because the camera is so close to the character(s) being followed, we feel that we're physically attached to those characters, as if by an invisible guide wire, being towed through their world, sometimes keeping pace, other times losing them as they weave through hallways, down staircases or through smoke or fog." (full article)

Following by Matt Seitz for L Magazine

20090613

um amor de perdição - mário barroso

Escreveu Mário Jorge Torres, no Público, a propósito desta nova adaptação do livro de Camilo Castelo Branco: "O que falta então a este "Um Amor de Perdição" para que se eleve de um bom filme, bem contado e organizado, a mais do que isso, uma tragédia contemporânea de amores contrariados? Precisamente aquilo que o romance de Camilo tem de sobra: paixão, desregramento, desmesura".

Fui reler o livro e concordo, em absoluto, com aquilo que sobra, mas discordo que seja um bom filme, muito menos bem organizado. É mais um capítulo, bem exemplificativo por sinal, dum estilo artesanal a que o cinema português nos habituou durante muitos anos e que parecia já ter sido abandonado de vez. E uso aqui a expressão artesanal naquilo que o artesanato pode ter de pior. O velho a querer ser jovem e moderno. Os poucos meios, por demais evidentes, mas que apenas poderão desculpar a mui fraca componente técnica, nomeadamente a sua confragedora fotografia, que, no entanto, não nos fazem esquecer que as ideias não precisam de dinheiro. Uma pena. Ainda para mais tendo em conta que Mário Barroso, com uma estreia tradia como realizador de filmes para o grande ecrã, até tinha começado bem com o seu Milagre Segundo Salomé. 

20090612

john stezaker

"John Stezaker collects postcards, movie portraits, stills and lobby cards with an archivist’s zeal. But the way in which they are re-functioned as art is not at all congruent with such an approach. One of the things that makes Stezaker’s practice so intriguing is the extent to which the works more or less follow Conceptual art orthodoxy up to when he makes his ‘cut’, bringing the two images together, after which all other decisions are intuited. The ‘idea’ of the works is straightforward and consistent, and Stezaker has constructed them in much the same way for more than 20 years: two different images are brought together, each destroyed in some important way in order to birth a new one. Yet the logic, or meaning, of the new images remains mysterious." (original text)


the smith westerns & chic-a-go-go

Com músicas vestidas da distorção dos discos iniciais dos Jesus and Mary Chain mas que se assemelham a uns Ramones tentando atingir a perfeição pop de uns Beach Boys, os The Smith Westerns oferecem neste seu disco de estreia a quase perfeita rodela pop para estes quentes dias de Verão. Se eu fosse surfista este seria um dos discos que ouviria a caminho da praia.

O vídeo que vos deixo, com uma actuação destes jovens,  serve também para apresentar um dos mais fantásticos (e estranhos) programas infantis do mundo. Tal como o nome indica este tem lugar na cidade de Chicago e conta sempre com a presença de bandas daquela cidade. Dos apresentadores à escolha de algumas das bandas que por lá passam, dá que pensar naquilo em que se irão transformar os petizes espectadores desta pérola televisiva. Quando, daqui a uns anos, começarem a ouvir falar de uma qualquer cena artística com o seu epicentro em Chicago lembrem-se deste Chic-A-Go-Go. As sementes foram lançadas, esperem agora que elas cresçam.


20090611

32

Habituei-me, ao longo dos anos, a ouvir sempre a mesma resposta à mesma pergunta “A que horas nasci?”. “Estava a dar a Grabriela, por isso deveriam ser umas duas e meia da tarde”. Nunca questionei a minha estranheza pelo facto da telenovela passar de tarde e não de noite, como agora acontece. Que seja às duas e meia. Da tarde. Não me importo de ficar como filho bastardo das noites. Hoje, trinta e dois anos depois, reparo finalmente na letra do genérico da primeira telenovela a passar na televisão portuguesa. E, tirando a impossibilidade de me chamar Gabriela, quanto ao resto, creo que no, pero pienso que si.

20090610

10 de junho


"Unamo-nos
Nós somos os famosos anónimos
Mesmo assim já comprimos os mínimos
Somos todos únicos
Que mais vão querer de nós
P'ra provar quem vai à frente
Ou fica atrás

Se é por
Ir estabelecer um novo record
Cumprimos o Guiness ao preço que for
E fica o assunto num lugar
E sem espumantes, às vezes dá p'ro banquete
Ou pelas sandes

Sempre
Complicamos a coisa mais simples
E simplificamos a complicada
Sai em rajada o tiro pela colatra
Às vezes mata, às vezes ressurreição
Foi de raspão

Só neste país

São muitos séculos em morna ebulição
A transitar entre o granizo e a combustão
E um qualquer hino para qualquer situação
Pessimista, optimista...

E vai abaixo e vai acima
Pessimista, optimista
E agora a rima

Portugal é nosso p'ro bem e p'ro mal
E o mal que está bem
E o bem que está mal
E o bem que está bem

Juro
P'lo fado
P'lo baile e p'lo kuduro
Que este país ainda tem futuro
É verde e maduro
Como a fruta, às vezes brote
Às vezes consternação
Secou no chão

Só neste país
É que se diz:
Só neste país"

Sérgio Godinho

foto daqui

boatos

Nos últimos meses, em Lisboa, têm surgido em grande número. Concertos anunciados que afinal não se confirmam ou são cancelados poucos dias, ou horas, antes do concerto acontecer. Desta vez foram os Bowerbirds que deveriam tocar amanhã no Maxime. Mas afinal tudo não passou de um boato. De uma possibilidade. Uma vez mais não confirmada. E como será dia 22 no Lux? O senhor Vincent Gallo surgirá com a sua nova banda Rriiccee tal como anuncia o blog da Radar?

20090605

20090604

o puto, a bela e os monstros

Eis o novo vídeo dos MGMT para o single Kids. Conta com a participação de Joanna Newsom e é forte candidato a vídeo mais feio de todos os tempos. Mais informação acerca deste vídeo aqui.

wavves meltdown: the end

tiananmen square


"The Tiananmen Square protests of 1989 culminating in the Tiananmen Square massacre (referred to in Chinese as the June 4 Incident, to avoid confusion with two other Tiananmen Square protests) were a series of demonstrations in and nearTiananmen Square in Beijing in the People's Republic of China (PRC) beginning on April 14. Led mainly by students and intellectuals, the protests occurred in a year that saw the collapse of a number of communist governments around the world."

Dias depois, num concerto em Roma, os The Cure dedicavam a última canção da noite a esses mesmos acontecimentos, numa das mais admiráveis versões do seu tema Faith, com letra alterada e uma intensidade arrepiante.

Speech before the song : "its like theres two different ways at looking at things, you can either think it doesnt make any fucking difference at all anyway, so that your like stuck in the same place and it wouldnt make any difference if you were to die now with a coin stuck right in the middle of your head or if you were prepared to go and say I need to sing a song called faith, but someone says you cant, someone says you cant sing it, so what do you do? This is for everyone that died today in china, its called faith".

Catch me if I fall 
I'm losing hold 
I can't just carry on this way 
And every time 
I turn away 
Lose another blind game 
The idea of perfection holds me... 
Suddenly I see you change 
Everything at once 
The same 
But the mountain never moves... 

Rape me like a child 
Christened in blood 
Painted like an unknown saint 
There's nothing left but hope... 
Your voice is dead 
And old 
And always empty 
Trust in me through closing years 
Perfect moments wait... 
If only we could stay 
Please 
Say the right words 
Or cry like the stone white clown 
And stand 
Lost forever in a happy crowd... 

No-one lifts their hands 
No-one lifts their eyes 
Justified with empty words 
The party just gets better and better... 

I went away alone 
With nothing left 
But faith

If i would doubt this, it makes me think, if i would doubt this

Someone walks up to you and theyre so much bigger than you, they say "shut your fucking face", you can grab hold of their eyes and go *mumbles*

Fall down in front of you x2

But its so much different if a man walks up and is this high and he says "Shut your fucking face" and holds a gun to my mouth, what will i do? What will i do? What would you do? 

He wont let me speak, he says "you can only say the word yes, if i ask you a question and you say no, i will shoot the back out of your fucking head!" He says "Do you love me??!?! Do you love me!?!?!"

Ill say, ill say, ill say

Is this more? This far away he says "I'm fucking waiting for you answer, answer me now! Do you love me? Do you love me?"

*screams* ooooooooowwwwwwwwww

OF COURSE I FUCKING DONT LOVE YOU! COURSE I FUCKING DONT LOVE YOU! WALK INTO THE ROOM, PUSH ANYTHING IN MY FACE, ANYTHING IN MY MOUTH! ILL NEVER FUCKING LOVE YOU! 

Push this deep inside your head x2

This means nothing! Means nothing!


Theres nothing left but faith, nothing left but faith, nothing left but faith.

A versão dessa música pode ser escutada aqui (primeira parte) e aqui (segunda parte).